Categoria

Fundação Estudar

Fundação Estudar

Trabalho voluntário: conheça algumas principais vantagens

Que o trabalho voluntário é uma forma de contribuir para o desenvolvimento da sociedade, todos sabem. Mas você sabia que há também muitas vantagens para seu desenvolvimento pessoal e profissional no voluntariado? Neste texto, te mostramos algumas delas.

Aqui na Stone, acreditamos muito no trabalho com propósito. Só ele pode nos fazer acordar e trabalhar todos os dias com paixão e energia e superar todas as adversidades do caminho para realizar um impacto maior. Esse é um dos motivos pelos quais somos grandes parceiros da Fundação Estudar (FE), organização sem fins lucrativos que tem diversos projetos com foco em cultura de excelência e formação e carreira de universitários e recém-formados. Ambos compartilhamos a crença de que o Brasil será um país melhor com mais jovens determinados a seguir uma trajetória de impacto. (Leia mais sobre esta parceria aqui)

Uma das formas de trabalho dentro da Fundação Estudar, para gerar este impacto no país e na formação de jovens, é justamente o voluntariado. A ideia é que o próprio voluntário, ao promover o desenvolvimento de outras pessoas por meio dos projetos da instituição, seja ele mesmo desenvolvido. Um exemplo é o Felipe França, voluntário da organização em Pernambuco. Ele conta o quanto o envolvimento com essa experiência impactou sua vida e seu desenvolvimento pessoal: “Uma experiência excepcional que resultou na lapidação do meu propósito. Há 3 anos tenho desafios disruptivos que aumentam minha capacidade sistemática de gestão e comunicação.”

E se uma experiência de voluntariado pudesse te ajudar a conseguir um emprego também? Foi isso que rolou com o Ricardo Borges, que atua como voluntário em Uberaba: “Através do voluntariado, consegui desenvolver habilidades essenciais nas áreas de Gestão de Pessoas, Técnicas de Vendas e Gestão do Tempo. Quando estava fazendo entrevista para meu atual emprego, falar dessa experiência foi essencial para o gestor bater o martelo e me contratar.” (Para conferir mais benefícios que o voluntariado pode trazer, é só conferir essa reportagem especial do Na Prática)

Atualmente, a Fundação Estudar conta com mais de 1200 voluntários, engajados na transformação de sua cidade e todo o país com a disseminação dos valores de liderança da instituição. É uma oportunidade única de causar impacto no país enquanto se desenvolve e participa de uma rede de networking que se estende por todos os estados do Brasil!

Nesse momento, a Estudar está em busca de ainda mais jovens que queiram mudar o Brasil com o seu  curso Liderança 16h!

Como um voluntário organizador da Fundação Estudar, você pode atuar na divulgação, venda, logística, infraestrutura e até mesmo na facilitação do curso na sua cidade ou região. Para essa oportunidade, buscam principalmente jovens de todas as cidades do interior do país e das capitais Campo Grande, Cuiabá, Aracaju, Teresina, São Luís, Maceió, Palmas, Boa Vista, Porto Velho, Belém, Manaus, Goiânia, Macapá e Rio Branco.

Quer impactar sua cidade através dos valores de Liderança da FE? Tem vontade de fazer parte de uma rede de jovens transformadores e se conectar com pessoas de todo país? Quer uma chance de aprender e se desenvolver intensamente num projeto voluntário de quatro meses?

Vem com a Fundação Estudar! Inscreva-se aqui até 15/02!

Carreira e Trabalho, Fundação Estudar

Uma cultura de integridade e de alta performance

No mundo todo, e especialmente no Brasil, lideranças de empresas estão sendo cobradas por uma cultura mais transparente e ética, que possibilite o crescimento sustentável das organizações. Uma cultura de integridade viabiliza esta sustentabilidade em diversos sentidos – ecológico, financeiro e humano. As empresas do futuro são aquelas que se fundamentam sobre relações sustentáveis, baseadas em confiança e respeito.

Leia mais

Carreira e Trabalho, Fundação Estudar

Como criar relacionamentos profissionais significativos?

Para cultivar relacionamentos profissionais significativos, é preciso abandonar a ideia clássica de networking. Pelo menos é o que afirmam Scott Gerber e Ryan Paugh, autores de Superconnector – Stop Networking and Start Building Business Relationships That Matter, que acreditam que o network não só é ineficaz para criar conexões reais, como não se adequa ao atual mercado de trabalho.

Leia mais

Fundação Estudar

O que líderes como Bernardinho têm a dizer sobre o futuro do Brasil

Em um painel durante o Encontro Anual da Fundação Estudar, a dupla falou sobre a importância de acreditar em mudanças e criar diálogos para mudar o futuro do Brasil.

“Quem nunca quis matar seu treinador, gerente ou professor?”, começou Bernardinho.

Ex-jogador de vôlei e vencedor de sete medalhas olímpicas, seis delas como técnico, ele conhece os dois lados dessa relação e a importância de líderes para o desenvolvimento de um grande time. “Temos que compartilhar valores e o líder é o guardião desses valores”, continuou ele, que se aposentou das quadras e hoje, além de dar aulas sobre liderança, explora possibilidades de atuação para aumentar seu impacto no Brasil.

Essa vontade é comum ao Luciano Huck, o outro participante do painel sobre Liderança, Esporte e Entretenimento que aconteceu no Encontro Anual da Fundação Estudar, no dia 7 de agosto, em São Paulo. “Tenho me cobrado intensamente sobre como posso me reinventar”, falou, citando uma vontade que se fortaleceu após sofrer um acidente aéreo com a família em 2015.

Bernardinho e Huck atualmente buscam articular suas redes para aumentar o impacto que podem ter de outras maneiras, especialmente inspiracionais.

“Precisamos lidar com essa situação imediata e criar algo transformador ao longo do tempo (…) As pessoas me dizem: ‘Bernardo, entrar na política é como ir numa carvoaria vestindo branco. Você sair sujo.’ Esse é o nosso medo hoje. Mas não existe um salvador: esse é um grande campeonato que precisa de um grande time.”

Huck, que viaja constantemente pelos cantos do Brasil desde 2000, quando começou seu programa na Rede Globo, também se empolga com a possibilidade de criar uma comunidade ativa.

“Acredito em uma geração preparada e que de fato esteja a fim de transformar”, disse citando iniciativas como o movimento suprapartidário Acredito, fundado por Líderes Estudar (como são conhecidos os membros da rede de jovens de alto impacto da Fundação Estudar) e o Me Salva!, startup de Miguel Andorffy, outro Líder Estudar, que ajuda milhões de brasileiros com aulas online.

“A percepção que tenho é que precisamos nos juntar e pensar num projeto para um estado eficiente, criar um movimento e ressignificar as coisas. Acho possível”, disse. “Se não colocarmos a mão na massa, ninguém vai fazer por nós.”

 

A visão deles sobre o futuro do Brasil

Hoje, essa vontade que ambos têm de engajar os brasileiros com o futuro se dá principalmente através da abertura de diálogos sobre a situação, especialmente aqueles que desafiam o senso comum.futuro do brasil

Em uma reunião de pais na Eleva, por exemplo, escola onde sua filha estuda, Bernardinho se incomodou com aqueles que sugeriam que a solução era deixar o país e pediu a palavra para falar o oposto. “A sensação é que mais uma geração está falhando em criar um ambiente propício para ficarmos aqui. Quando eu deixei a seleção, tive vários convites interessantes de outros países. Mas se eu for embora agora, que mensagem passo? ‘Ah, ele desistiu. Então vou desistir também.’ Não está na hora de desistir.”

Pensando em passos concretos, Bernardinho disse que o campo ainda está aberto. “Não sei que passo vou dar, mas uma coisa é certa: não consigo não me incomodar”, continuou. “Quero que vocês saibam que todos são importantes. Somos parte de algo maior e temos que efetivamente enxergar o outro.”

 

Já Huck afirma que continuará usando a TV aberta como uma ferramenta de inspiração, “rodando o Brasil, ouvindo histórias e mostrando que aqui tem coisas legais, sim”.

“A vida te impõe coisas que te obrigam a refletir e crescer. Não vou ficar de passageiro. Vou ajudar a articular movimentos e vou participar de discussões. Podem gostar ou não de mim, concordar ou não comigo, mas conversando a gente se entende e, uma vez entendido, temos que trabalhar pra tirar as ideias do papel.”

É um argumento atraente para uma parcela cada vez maior de brasileiros insatisfeitos e que têm vontade de atuar de alguma maneira, mesmo numa situação sem soluções fáceis.

“Nunca toquem o sino. Vocês podem aparar, ajustar e continuarem testando, mas desistir não é uma opção”, concluiu Bernardinho.

Saiba mais sobre o que rolou no Encontro Anual da Fundação Estudar: https://www.napratica.org.br/assista-a-reuniao-anual-da-fundacao-estudar-ao-vivo/

por Redação do Na Prática