Carreira e Trabalho, Fundação Estudar

Cultura de aprendizado: como ela pode ajudar as empresas a se desenvolverem

No livro “A Quinta Disciplina”, o cientista Peter Senge mostra os benefícios de fomentar uma cultura de aprendizado organizacional nas empresas e as cinco disciplinas que caracterizam as Learning Organizations 

O investimento em aprendizado dentro das empresas é uma necessidade – e não apenas porque, em tempos em que tecnologia promove automação acelerada, ela dá vantagem competitiva. Mais que isso: fomentar uma cultura de aprendizado internamente também faz com que os trabalhadores se sintam parte de uma unidade, tornando mais natural que se esforcem juntos para alcançar os objetivos.  

Isso define, basicamente, uma “Learning Organization” (em português, “Organização de Aprendizagem”). O termo, criado pelo professor de Harvard Chris Argyris, especialista em comportamento organizacional, diz respeito a uma organização que se desenvolve à medida em que os seus colaboradores adquirem conhecimento, ou seja, que pratica uma cultura de aprendizado.  

cultura de aprendizadoA ideia foi popularizada pelo cientista Peter Senge em “A Quinta Disciplina” (1990) – obra que foi considerada pela Harvard Business Review, em 1997, uma das mais inspiradoras sobre Administração em 75 anos. O livro (em inglês, “The Fifth Discipline”) sugere uma visão sistêmica de todos os aspectos da vivência humana, inclusive o trabalho. Nele, o cientista propõe uma abordagem ampla e interdisciplinar para a administração das instituições.  

De acordo com Senge, as Learning Organizations são estruturadas em cima da concepção de “aprendizagem organizacional”. O que significa que são voltadas para uma cultura de aprendizado, para a inovação e para a disseminação de conhecimento por todas as áreas. O autor procura mostrar que a aprendizagem organizacional é um fenômeno individual e coletivo, que precisa ser relacionado à cultura interna, pois é chave para a competitividade e sobrevivência das instituições. 

Enquanto muitas empresas se preocupam em buscar um líder que, finalmente, inspire mudanças, segundo a A Quinta Disciplina, eles deveriam procurar desenvolver a cultura de aprendizado. Com ela, os trabalhadores conseguem expandir continuamente sua capacidade de criar resultados e novos padrões de pensamento. Só assim, as instituições se adaptam e se destacam em seu mercado, explica o cientista. 

Para criar uma Organização de Aprendizagem, Senge recomenda aos altos executivos construir uma base de propósitos e valores fundamentais para a organização, criar processos de aprendizagem efetivos e desenvolver políticas orientadoras para o negócio. 

Além destas sugestões, Senge propõe a prática do que ele chama de “disciplinas”, que podem servir de um guia de cultura de aprendizado para transformar qualquer empresa em uma Learning Organization. 

 

Cultura de aprendizado: as cinco disciplinas das “Organizações de aprendizagem 

 1. Formação, desenvolvimento e domínio pessoal é uma das disciplinas apresentadas por Senge. Consiste em “esclarecer e aprofundar a visão pessoal continuamente, concentrar energias e desenvolver a paciência”, explica ele. Dois fatores importantes nessa disciplina são: definir o que é importante e ser capaz de ver a realidade como ela é. 

 2. Segundo, compreensão dos modelos mentais que orientam a organização. Os modelos mentais incluem as presunções e generalizações que influenciam as práticas da empresa. Senge sugere diminuir a influência da hierarquia oficial e promover honestidade, extinguindo os “jogos de poder”. Promover a reflexão coletiva sobre eles é o primeiro passo para transformá-los.   

3. Outra disciplina é a visão compartilhada. Expressa-se na disseminação da visão da organização. Desta forma, segundo o cientista, os funcionários vão querer participar do desenvolvimento dos processos para alcançar o objetivo. “As pessoas não jogam de acordo com as regras do jogo, mas se responsabilizam pelo jogo”, diz Senge. 

4. “O aprendizado em grupo começa com o diálogo, a capacidade dos membros de uma equipe de acabar com as suposições e pensar, genuinamente, em conjunto”. Esta disciplina é importante porque o trabalho em equipe leva a resultados que, sozinhos, os funcionários não conseguiriam alcançar. As duas principais práticas desta disciplina são o diálogo e a discussão.   

5. Por último, a quinta disciplina, “alicerce da Learning Organization”: o pensamento sistêmico. Basicamente, é a compreensão interdisciplinar dos sistemas que envolvem uma organização. Consiste no entendimento da interdisciplinaridade das relações que estruturam os processos, e suas consequências.  

E aí, que tal ajudar a sua empresa a praticar a cultura de aprendizado e se tornar uma Learning Organization a partir de hoje? 

Por Suria Barbosa,

Na Prática 

 

A Stone é grande parceira do portal Na Prática por também acreditar no potencial de investir no desenvolvimento pessoal e gestão de carreira dos jovens universitários e recém-formados. Mensalmente, o portal publica textos no nosso blog, na seção Fundação Estudar