trabalhando-na-stone
Jeito Stone

18 coisas que entendi na prática trabalhando na Stone [Parte 1]

Esta semana, a Lívia nos conta algumas das lições que aprendeu desde que está trabalhando na Stone e como podemos aplicá-las no dia-a-dia.

Quando criança, queria ser presidente do Brasil, depois mudei de ideia e queria ser astronauta. Mudei de novo e decidi que o caminho era ser cientista. Então, escolhi um curso do qual gostava das matérias (Psicologia). No fim do curso, já não sabia mais o que queria fazer. Fiquei totalmente perdida.

trabalhando-na-stone

Por meio da sorte e do acaso, conheci a Stone e a Arpex Capital. Fui me apaixonando pelo jeito de trabalharem. Decidi o que queria fazer no final das contas: trabalhar em um time com gente melhor do que eu, com muito aprendizado no caminho e no qual meu trabalho agregasse valor para a empresa. E que a empresa agregasse valor à sociedade também.

Trabalho aqui faz um pouco mais de 2 anos e aprendi algumas coisas que queria ter aprendido antes. Aqui, não tem lições de faculdade, tem aprendizados que levo para a vida e que espero que gostem.

O que entendi trabalhando na Stone:

1) Franqueza dói.

Mas é uma das maneiras mais verdadeiras de ajudar os outros e também de ser ajudado. Aqui, todo feedback é bem intencionado – com o objetivo de ajudar a ser melhor.

Lembro-me da minha terceira semana de trabalho, o Edu (CEO) falou uma frase que me marcou muito: “É melhor ficar vermelho 5 minutinhos do que amarelo a vida inteira”.  Na hora, achei engraçado e não tinha certeza se tinha entendido. Depois de 2 anos, entendi que é melhor falar logo, se indispor momentaneamente do que evitar “conflito” e deixar um problema para resolver “depois”.

2) Demita seu ego.

Não, você não é a melhor pessoa do mundo. Não, você não fez o melhor trabalho. Sempre vai ter alguém melhor do que você. Você é mais um no meio de tantas outras pessoas incríveis. Você vai cometer erros. Vão falar na sua cara (franqueza). Entenda que é para o seu melhor. Se você não absorver que você não é a melhor pessoa e que você vai errar, você terá problemas. Na vida pessoal e profissional, acredite.

3) Não invente desculpas.

Assuma seus erros. Não vale a pena perder tempo tentando se justificar. Só vai deixar as pessoas irritadas e desconfiadas de você. Simplesmente fale a verdade, assuma o erro e garanta que na próxima você vai acertar. É isso que importa.

4) Autonomia x Responsabilidade.

Todo mundo adora falar que gostaria de ter autonomia no trabalho. Não sei o quanto as pessoas realmente estão preparadas para ter essa tal de autonomia. Simplesmente porque as pessoas não se lembram que, junto da autonomia, vem a responsabilidade, ou seja, se você tem autonomia, as decisões são suas! As consequências de sua decisão são suas!

Não tente colocar o corpo para fora quando chega na hora de assumir as responsabilidades. Já vi muita gente sair da empresa ou ficar bravo com o gestor por causa disso. Todo mundo fala que quer autonomia, mas, quando tem, culpa o gestor por deixá-lo a vontade para fazer as coisas… Cuidado! É sempre uma via de mão dupla. Aqui você tem autonomia para trabalhar, mas assuma a responsabilidade de ter essa autonomia.

Entenda melhor aqui como funciona essa cultura de autonomia e responsabilidade nas empresas.

5) Seja você mesmo sempre.

A vida é muito curta para viver para agradar os outros. Não seja uma outra pessoa por achar que é o que a empresa (ou qualquer outra pessoa) espera de você. Autenticidade está em ser você mesmo. Dá muito trabalho ter máscaras. Dói e cansa! Trabalho não deveria ser cansativo, deveria ser prazeroso.

6) Faça aquilo que você ama.

Não tem nada mais legal do mundo do que amar o que faz. Os resultados são melhores. Você fica melhor consigo mesmo porque está fazendo coisas com propósito. Quando você ama, você agrega valor. E isso é esperado na empresa – que você agregue valor a ela.

Falo isso porque, um dia ou outro, vai ter algum negócio complicado para resolver que, se você não estiver seguro do motivo pelo qual você trabalha, com certeza vai ser trinta vezes (pelo menos) mais difícil de resolver o problema.

trabalhando-na-stone

7) Nada é mais importante do que ter pessoas melhores do que você ao seu lado.

Nada me dá mais vontade de ser uma pessoa melhor do que estar cercado de gente melhor do que eu. Essa é a nossa busca incessante. Somos apaixonados pela história individual e particular de cada pessoa. É isso que nos faz contratar em primeira instância.  É isso que nos faz ter cada vez mais sócios para a companhia. Veja pelo nosso maior processo seletivo, o Recruta. Os líderes param durante vários finais de semana para escolher pessoas melhores do que elas para trabalhar.

8) Sempre dê o seu melhor.

Por que fazer o possível se você pode dar o seu melhor? Por que só entregar se você pode entregar a mais? Faça além daquilo que é esperado de você.

Um dos meus mentores falou exatamente isso para mim “para ser bom, faça bem o seu trabalho. Para ser melhor, faça sempre além do seu trabalho. É assim que você cresce.” Aqui dentro, valorizamos quem nos surpreende positivamente.

9) Você vai ter que fazer coisas que você não gosta.

Aqui, não existe mar de rosas. Inclusive, acho que em nenhum lugar existe mar de rosas… Você sempre terá que fazer alguma coisa ou outra que não é necessariamente aquilo que você gosta de fazer. Não deixe de fazer! E nem reclame. É importante para seu próprio aprendizado entender que embora tenha muitas coisas legais, você também terá que lidar com coisas não tão prazerosas. Não evite a dor. Enfrente e engula. Não deixe de entregar sua missão porque “ah, tem que fazer isso” ou “ah, mas eu não sei como faz” – procure quem sabe, e se ninguém souber, aprende por conta!

Por exemplo, quando entrei não sabia mexer em Excel. Não é de minha praxe, em princípio, achar legal ficar brincando com dados.  Porém, depois de um feedback muito duro (“seu Excel é ruim”), tomei vergonha na cara e fui aprender sozinha. Não foi fácil.  Não foi legal, mas valeu cada minuto que gastei aprendendo.

Essas foram algumas coisas que aprendi aqui. Claro que tem mais uma porção de coisas que descobri, mas na semana que vem eu conto!

por Lívia Kuga